19 de dezembro de 2014

Tempo de Natal



Desde pequena que me lembro sempre deste tempo,
 uns dias antes do Natal!
Em nossa casa,
 chamávamos a este nevoeiro opaco e denso
como uma "carapaça".
Se virmos no site do tempo,
 para norte dá céu limpo,
mas nós já não vemos o sol há mais de três dias,
e por isso sente-se mais o frio.
Esta "carapaça",
é somente do cimo dos montes e da serra e estende-se pelo céu todo, 
encobrindo-o.
Sente-se uma humidade extra, que nos ataca os pulmões.
No meu caso,ando de rastos:
Uma tosse seca, incomodativa que me deixa cansada!





Mas, mesmo assim não paro, não posso parar!
Quanto mais ocupada estiver,
melhor para a minha mente e para o meu estado de espírito.
Resolvi então fazer umas meias com aproveitamento de lãs.
São para a Leonor, tamanho 36.
Foi mais uma técnica que aprendi e descobri
 que se pode fazer meias de mil e uma maneira.



Começa-se pela ponta do pé, 
segue-se o calcanhar e por fim o cano.


Sem buracos, nem complicações, 
é um modelo que fica muito justinho ao pé, 
sendo por isso mais confortável e quente.


As lãs não não todas da mesma espessura, 
mas resultou bem.


Mais meias virão,
já estão feitas é só aguardar
os próximos postes.

Beijinhos e até breve!

14 de dezembro de 2014

Almofadas




Almofadas novas para o meu sofá (novo).

Em Agosto do ano passado resolvi substituir um trio de sofás amarelos
que de tão rotos que estavam,
tinha de os ter sempre tapados.
E entre forrá-los (os três) e comprar um novo,
por mais incrível que pareça, 
ficou mais barato comprar um novo.
A verdade é que o tecido era barato, mas o enchimento não, 
muito menos a mão de obra!
E de quatro lugares repartidos por um trio, 
fiquei com um sofá grande com o mesmo número de lugares.

E sofá novo...almofadas novas!

Com dois catálogos de tecidos,
 que generosamente me deu a dona de uma casa de tecidos
que faz tudo para o lar, desde cortinas, edredons, tapetes etc.

Os tecidos são de texturas diferentes, mas muito bons,
e de cores parecidas.
Queria uma coisa bem simples,
com alegria, e nada disparatada.
Penso que consegui o efeito desejado.










...e ainda ficou a combinar com a manta!!!

Beijinhos

Conceição Esteves



17 de novembro de 2014

Mug Rug



Mas que mania a minha!
Agora não posso ver nada velho que logo me apetece renovar.
Se vejo algo arrumado sem utilidade, 
só me apetece dar-lhe outro rumo.
É uma fase, acho que vai passar, mas depois...
acontece-me isto quase todos os dias.
Preciso de descansar!!...a cabeça é claro!
Isto tudo por causa de uns panos azuis antigos bordados por mim,
há muito muito tempo.
Coisas de solteira a pensar no enxoval, mas que ás vezes são mal planeadas, 
e depois resultam em trabalhos inacabados, ou mal acabados.
Desse trio, cada um seguiu um destino diferente.
Um levou uma barra em croché.
(esse pequenino no canto direito)




O outro costurei uma barra em tecido.
(serve para o certo do pão)



e o terceiro, virou mug rug



Ficou bem mais moderno, e tenho a certeza que terá muito mais utilidade,
do que estar arrumado numa gaveta.
Espero que tenham apreciado este post.

Beijinhos e até breve.

Aqui, no face
https://www.facebook.com/AgulhasSoltas/photos/pcb.602535959852579/602535509852624/?type=1&theater



Conceição Esteves

7 de novembro de 2014

Aproveitar para reaproveitar,



para reciclar, 
para não deitar fora,
para poder usar.

Não gosto de ter arrumado o que não está em condições, 
principalmente coisas feitas com tecidos,
 como por exemplo este conjunto de pegas de cozinha, 
em que o tecido branco está manchado de nódoas amarelas, 
pelo fato de estar arrumado há muito tempo.
Foi uma prenda que recebi de um familiar que está na Madeira, 
e por essa razão decidi que iria preservar este lindo casal madeirense.
Sei que o bordado não é perfeito, 
sei que não tem enchimento térmico,
e sei que assim não podia ficar.
Então mãos à obra.


Uma pega do lado direito e outra do avesso.

Aqui vêem-se as manchas feias e amarelas,
assim como a ausência do enchimento térmico.

O bordado do lado do avesso, imperfeito


O bordado do lado direito, bem melhor que é o que interessa.

Decidi trocar o tecido branco
por este que é bem mais opaco e resistente.
E também coloquei enchimento térmico.

E ficaram assim,
 bem gordinhas e um pouco mais pequenas,
pois decidi coser um pouco mais por dentro
 para garantir que a serapilheira com o uso não desfie.

E ficou assim do lado de trás.
Não perdi muito tempo com pormenores,
pois o objetivo era mesmo dar-lhe um ar de graça.

E agora já os posso exibir,
pois ficaram satisfatóriamente melhor.

Um dia uso um, noutro dia o outro.
Sem stress.



Até breve,

beijinhos


Conceição Esteves

27 de outubro de 2014

Agulheiro em Patchwork



De vez em quando remexo os tecidos!
Abro-os e volto a dobrá-los.
Separo-os por tamanhos...e cores!
E separo os mais pequeninos, 
e vou magicando na minha cabeça o que darão se os for juntando um a um!
Ás vezes surgem muitas ideias, outras nem por isso.
Volto a arrumá-los...mas,
 quando as ideias me atropelam, salto logo para a máquina 
e com um friozinho no estômago, lá vou pondo em prática aquilo que sei e/ou aprendi.
E fico tão feliz, quando no fim o resultado me agrada.
E partilho, na esperança de que gostem e se sintam inspiradas,
 ou se lembrem que também já fizeram um assim parecido, ou coisa e tal...









O ano passado recebi um do genero da Filomena Reis,
em tons mais vivos, o qual adorei.
Obrigada Filomena, pela inspiração!



Em breve voltarei com mais agulheiros.
Este foi só o primeiro!

Beijinhos

Conceição Esteves


25 de outubro de 2014

Livro do bebé



Há muito tempo que queria renovar as capas dos livros de bebé das minhas filhas,
que entretanto foram cresceram e com o uso começaram a desmanchar-se.

















Elas adoraram a ideia e o resultado final.
Sem muitos "fff" e "rrr", a simplicidade funcionou muito bem.
Com elástico a prender, lugar para a foto e um laçinho em branco para sobressair.


O tempo está convidativo para passear...na máquina de costura :)

Mais trabalhos virão...e em breve!

Beijinhos

Conceição Esteves

15 de outubro de 2014

Doce de pêra, maçâ e melão



700 gr de pêras
700 gr de maças
1000 gr de melão

1500 gr de açúcar branco
3 colheres de sopa de açúcar amarelo

sumo de meia laranja
1 colher de sobremesa de sal grosso
2 paus de canela 

(eu fiz com aproveitamento de frutas que tinha cá em casa, 
bem maduras: maças vermelhas, verdes e das amarelas, a pêra foi a rocha 
e o melão dos brancos).

Preparação:

Parta a fruta toda por igual em pedaços pequenos.
Lave, escorra e deite numa panela grande.
Junte os açúcares, o sumo da laranja, o sal e os paus de canela.
Salteie a panela para o açúcar chegar ao fundo.
Envolva um pouco com uma colher de pau.
Leve ao lume brando até o açúcar começar a ficar liquido.
Aumente um pouco o lume até começar a ferver.





 Quando o doce num prato raso fizer estrada ao passar o dedo, 
está pronto. Apague o lume e verta-o ainda quente para dentro 
dos frascos. Eu costumo esterilizar os frascos, para conservar
o doce por mais tempo.




Retirar os frascos e verificar se ficam 
com vácuo (à medida que vão arrefecendo as tampas dão 
um estalido) 

Agora é só provar!
Com umas bolachinhas de água e sal
e o lanche já está!

Muito bom mesmo!


Os pedaços que se notam são da pêra.
A maçã ficou desfeita e o melão translúcido.







Quatro frascos,
nada mal!

Até breve
beijinhos,

Conceição Esteves
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...